julho 2009


A doença é o maior pavor do ser humano. Ainda assim, apavoradas, as pessoas seguem aqui e ali, enchendo a cara de antibióticos, analgésicos, antidepressivos, insulina e por aí vai. Entupindo-se de química, todo mundo vai mais ou menos bem, aqui e ali, lá e acolá.

Paro e penso. Ou melhor, só paro e deixo o pensamento para depois. No futebol, não é diferente da vida. Há uma quantidade de hipocondríacos extrema e cavalar- e sempre estão dispostos a diagnosticar doenças, tragédias e sensações de mal-estar, sempre tratáveis por remédios.

Só que esta medicina (ou melhor, essa farmácia, essa bioquímica) não resolve nada. Falo por enigmas? Sigamos. Vejam só o que propõem os tecnólogos do futebol: Uso de câmeras, de computadores para auxílio da arbitragem. Claro, tudo estaria simples. As faltas violentas e antes invisíveis seriam reveladas, os pênaltis seriam facilmente marcados, não subsistiria mais o problema da bola na linha, do quase-gol, do gol que não foi, etc, e por aí vão os devaneios.

Claro, não passam de devaneios. Não é possível afirmar de forma apriorística que o uso desse ou daquele instrumento necessariamente redundará na piora do jogo. O mesmo vale, contudo, para a melhora. É possível especular, porém, o que aconteceria, em termos práticos e não tão subjetivos. O uso do computador e da tecnologia inevitavelmente tornará o futebol um jogo mais parado. Quem fala que a experiência do futebol americano pode servir de influência ou não acompanha as partidas da NFL ou finge que não vê os intervalos (Há uma terceira hipótese, a de simplesmente omitir, apesar de saber as conseqüências). Em relação a outros esportes, a comparação é maluca e improcedente, já que se dão em áreas bem menores e com um placar pré-determinado para encerramento.

Há outro fator magnânimo. As regras do futebol são bem subjetivas. Mais do que se fulano avançou 10 jardas ou se sicrano tocou na rede, dentre outras coisas, a mão na bola não necessariamente significa infração, o empurra-empurra na área nem sempre vira falta e nem a mais milimétrica das máquinas pode resolver a equação que interpreta aquelas regras.

Num embalo torto, a neurose atribui a International Board (chamada incrivelmente de “Velhinhos da FIFA”) uma responsabilidade (a perfectibilização das regras de um jogo, que é essencialmente diamante bruto) que não lhe cabe. Pode-se melhorar a arbitragem do futebol e até mesmo algumas de suas regras? Sim, claro, óbvio.

Não parece que é o computador o responsável por auxiliar nisso, porém.

Anúncios

É curioso como, de repente, vagas de bom-mocismo tomam o mundo do futebol. Vejam o caso do América, simpático clube carioca, da Tijuca. Passou anos de ostracismo futebolístico, penando com 250 outros times do Rio de Janeiro que não os quatro mais bem-quistos, sem obter qualquer conquista relevante. Conseguiu ir a uma final da Taça Guanabara, para ser garfado e assistir de modo inconveniente à chamada profissionalização do futebol. Mais ou menos como um semi-cadáver ou um tio incômodo que atrapalha o andamento familiar com sua tuberculose.

Tísico, o time chegou a um ponto baixo, baixíssimo e baixérrimo de sua trajetória. Muito baixo mesmo, os alvirrubros chegaram à segunda divisão do Estadual do Rio de Janeiro (Carioca?), mesmo tendo que sucumbir a times sofríveis. E foi, então, que num estalo, começou-se a temer pelo futuro do América.

Quem temeu? Os torcedores. A imprensa? Mais ou menos. Aqui e ali pipocaram iniciativas de restauração de um passado glorioso. Parceria com patrocinador de primeira divisão, administração de Romário, boa lembrança aqui e ali até o ponto de ter seus jogos transmitidos pela TV.

Sim, amigos, eu disse televisão. Nessa semana que passou, de modo um pouco surdo, tivemos uma pequena queda-de-braço pelos jogos do América. Não, não era a Rede Vida e a Canção Nova que disputavam por transmitir jogos de times menores. Eram os dois maiores canais de esportes na TV por assinatura brasileira. Para além dos bolodórios jurídicos, a emissora que se recusou a transmitir alguns jogos da Libertadores, a que cortou os últimos minutos do último jogo do Campeonato Argentino em prol do VT do GP de Motovelocidade e da premiação de um GP de Judô, essa emissora decidiu passar os jogos do América.

Podemos sorrir, então, afinal os mangangões estariam zelando pelo futebol de antigamente, dos primos pobres, pererê parará? Não mesmo, colegas. Os jogos a serem televisionados são exclusivamente os do América. Só interessa noticiar os jogos do América. A segunda divisão do Estadual virou a jornada da redenção do América- mais ou menos como zás-trás- a segunda do Brasileiro vira a redenção do Palmeiras, Botafogo, Grêmio, Corinthians e até mesmo a do Galo. É a ressureição farsesca da história da Fênix.

Reclamo disso? Não. Ou melhor, reclamo sim, mas nem tanto. O novo despertar do América é positivo, até como forma de ampliar o leque de clubes a quem se pode prestar atenção no futebol. Um mundo com poucos clubes relevantes é um abismo insípido e nauseante. Mas não se poderia tratar de melhor forma os companheiros do esquecimento que o América partilhava até pouco? Não só no Rio, mas na Bahia, nos Rio Grandes e em Roraima- sem que só o folclore excêntrico anual da Copa do Brasil os reavivem em nossas memórias?

Enfim, enfim e digo mais: Por fim. Que o América abra o olho e agarre esse momento. Amanhã, uma nova vedete pode apagar do fronte qualquer vestígio dessa história.

MichaelJacksonDancando1

Está assentado na memória futebolística um texto de Roberto Drummond que se refere à fidelidade do torcedor do Clube Atlético Mineiro, o tal Galo. Diz o autor de Hilda Furação, que num embate hipotético entre o vento e o Galo, a massa torceria desesperadamente contra o vento. E nisso se vê muita beleza e uma fidelidade essencial, além do bem e do mal, da vida e da morte.

Não discuto. E realmente aplaudo a torcida, que aqui e ali demonstra sua paixão, lotando estádio, mesmo diante de times mais ou menos, como dizer…, furrecas. Mas torcer para o Galo é fácil. Já posso imaginar mineiros vociferantes e trágicos babando e tremendo diante do que falo, mas não tenho dúvidas, tanto que repetirei. Torcer para o Galo é fácil. Ah, ser roubado por José Roberto Wright, o homem que expulsou Deus em Goiânia, perder 17 mil vezes tendo o melhor ou uma das melhores equipes, ser até outro dia o maior pontuador do Brasileirão com um título somente, ah, tudo isso é fácil, amigo leitor. Não é tão fácil quanto torcer para um São Paulo, um Flamengo, sei lá, até mesmo para um Coritiba- grande regional, campeão brasileiro-, mas é fácil (Em relação ao Bahia, já venho acumulando algumas dúvidas).

Difícil, colegas, difícil e quase angustiante é torcer para o Fluminense de Feira. Se o Galo é o time dos que torcem contra o vento, o Touro sertanejo é o time que joga sem o vento. O vento é uma impossibilidade física, moral e filosófica para os times pequenos. Ao torcedor do Galo, sempre haverá a hipótese do vento parar. Sempre haverá um meteorologista prevendo (errando muito e quase sempre, mas acertando algum dia) o fim da tormenta. E se a tormenta acaba, o torcedor do Atlético já pode rir. O torcedor do Fluminense não.

sede touroO bravo touro pioneiro é um time para os trágicos, os apopléticos, os verdadeiros dons quixotes da nova ordem. Uma ida ao Jóia da Princesa mostra um estádio com menos de mil torcedores, todos apaixonados, mas com as circunstâncias mais curiosas.

Os palmeirenses reclamam da turma do amendoim? Pois dos 700 pagantes, 500 taurinos são dessa turma. Outros 80 compõem o total de componentes de quatro ou cinco organizadas que tentam motivar o time. Pois era esse o cenário do embate contra o Atlético das Alagoinhas, em jogo válido pela quarta divisão do futebol nacional. E o time de Alagoinhas parecia melhor, em boa parte do primeiro tempo e no começo do segundo tempo, até que o vento apareceu nas imediações do bairro do Sobradinho, onde se localiza o templo do Touro. Foi ali que um jogador com a cabeça enfaixada sacodiu a roseira e animou a moçada, o que deu oportunidade ao clube matar o jogo, com mais dois contra-ataques, e então dominar a partida de uma vez por todas.

É por esse momento de sonho que os torcedores do Fluminense (e do próprio Atlético e de seus irmãos em espírito, os suicidados pelo mundo do futebol) vivem, um momento em que é possível haver algum vento, sendo real a eventualidade de torcer contra qualquer coisa.

Por cada segundo é que vive o torcedor do Fluminense- e essa beleza é o patrimônio que ninguém há de tirar das mãos dos poucos que se aventuram ao Jóia da Princesa.

Preciso me lembrar, todo santo dia, de não me tornar alguém amargo- principalmente no que diz respeito às coisas do futebol. Sim, amigos, a luta diante dos fatos é árdua e a cada etapa, é preciso encará-los, respirar fundo e caminhar.

Explico. Aqui e ali escolho times para torcer. Não para acompanhar a todo o tempo,do início ao fim dos tempos, mas para naquele momento específico do embate, ter uma preferência. Geralmente escolho o mais fraco. Por mais fraco, entendo aquele que ganhou menos ao longo da história, aquele que garante os maiores sofrimentos aos seus adeptos, o que é furtado, assaltado e até mesmo operado pelos homens de preto, o que sempre há de perder aos quarenta e cinco minutos do segundo tempo, num lance duvidoso, em meio a uma vibração intensa de sua torcida. O time pequeno é o verdadeiro sobrevivente do futebol, pois resiste a intermediários malandros, a diretorias inescrupulosas, a um público pífio, com renda tétrica, sem ter suas aventuras bem cantadas nas ondas de transmissão.

Mas por que falo dessa via crúcis futebolística? Vejam vocês o que se passou ontem na final do Campeonato Argentino. Huracán, um dos antigos grandes do futebol, grande campeão da era amadora, somente um título na era profissional, finalmente o Huracán se aproximava de um título, após tortuosos caminhos na segunda divisão. Bastava um empate e a história parecia mágica: mesmo contra um gol erroneamente anulado, contra uma tempestade de granizo, o furacão conseguia seu empate na casa do adversário. O título era seu, até o momento trágico já nos estertores da partida, quando o jogador do Vélez faz a falta e o gol necessário à sua vitória. Pronto, estava encerrada a magia.

Isto é suficiente para minhas tragédias? Não. Basta observar o Campeonato Brasileiro. O time que eu escolhi (ou me escolheu), o São Paulo, decidiu encenar a mais dramática das histórias. Após meses de futebol horrendo, embarcou numa aventura de adaptação que parece mais entediante ainda- é um time sem imaginação, sem vontade, que não transmite a mínima expectativa a quem o vê jogar. Ora, vocês dirão, isto é despeito de quem vê seu time em tragédia.

Não, colegas. Não por isso. Assisto a Libertadores e o que vi foi um Grêmio sem sentido ou direção (i.e., aquele domínio estéril sem chances de vitória) e uma torcida que gritava num castelhano entre o apaixonado, o esquisito e o lamentável- o lamento da torcida, digo. Do mesmo modo, o Internacional não conseguiu oferecer resistência ao sólido Corinthians- e definitivamente, preciso refazer minha impressão sobre Mano Menezes.

Vejo o espetáculo madridista em torno de C. Ronaldo e Kaká e sinto somente a vontade de dormir e esperar que o time comece logo a jogar- algo ressentido, há uma parte de mim que torce para que o time fique em nono lugar, após o Bilbao, Sevilla, La Coruña, Atlético de Madrid, Villareal, Tenerife, Zaragoza e Barcelona (ou quaisquer outros).

E por aí, vai. Fico a me lamentar e torcendo para não me tornar um oitenta-e-doitista, torcendo pela volta de Telê e saudando o tempo de Zico, quando alguma coisa surpreendente podia acontecer- há momentos em que é melhor calar e esperar pela empolgação- essa é a luta contra o ressentimento, o mais daninho vício de personalidade.

O ser humano não é um golfinho, um bonobo, uma abelha ou, vá lá, um pé-de-cebola, em razão da moralidade. Como diria um alemão, o ser humano é um ser moral. Sigamos na minha especulação absurda. Pensemos na pornografia. A pornografia é o que é, pelo sexo, pela pura e visceral exposição de membros sexuais em ebulição? Claro que não, colegas. A pornografia só é o que é pelo pudor. É o choque, é o pavor, é o espanto- e o prazer decorrente do conflito com tudo isso, o prazer da repressão que torna possível a existência da pornografia. Sexo por sexo, bonobos fazem, de forma marota e pouco ortodoxa. Mas o que eu devo falar mesmo?

Calma, leitor. Você, tomado de surpresa e espanto, pode pensar que este espaço transmudou-se de um campo sério,  futebolístico para adentrar as artes do corpo e da carne. Mas, não, pode acalmar-se. O que eu devo, e digo mais, tenho de, e digo mais, irei falar, diz respeito às teorias morais.

Como o ser humano é um ser moral- e mesmo o mais facínora dos gângsteres, o mais impudendo dos desgraçados incorrem nesta sina- ele passa a criar teorias e idéias a partir das suas situações da vida, de maneira que seus atos sejam justificados. Assim, o mais canalha dos pulhas há sempre de arrumar um argumento para seus atos.

Prometo que entro no futebol neste parágrafo. São muitas as aplicações da teoria moral no futebol. A todo tempo, todos estão tentando racionalizar seus atos. Mas a arte mágica ludopédica é tão grandiosa que revela cruamente a natureza humana: e estão na ciranda, dirigentes, torcedores, jornalistas, jogadores e técnicos, vibrantes, a desfiar um rosário de argumentos, hipóteses, situações eventuais e o que mais for, tudo no bom sentido de tornar explicável sua prática.

Os recentes casos das diretorias são-paulina e palmeirenses são claros. A utopia dos cartolas brasileiros é a de soarem modernos, europeus, executivos inteligentes e antenados com a moderna administração. Isto, propagado no céu, no mar e na terra e por nossos colegas da imprensa, quase ilude os pobres torcedores a respeito da qualidade dos gestores do futebol brasileiro.

Após uma derrota frustrante para o Cruzeiro e um semestre tétrico apresentado pelo São Paulo, a diretoria chutou o Preto Velho, Muricy Ramalho e trouxe um galante Ricardo Gomes, direto das charmosas ruas de Mônaco para o pretensamente parisiense ambiente do Morumbi. Está claro que a diretoria do São Paulo entende que o clube pode mais do que o tri brasileiro alcançado. Nisso, não está sozinha. Está claro que a diretoria não engoliu a eliminação para times brasileiros (embora, mais uma vez, o time que elimina o São Paulo esteja na final da Libertadores). Não está evidente, para a diretoria são-paulina, porém, que ela pode cometer equívocos e que a tão decantada estrutura tricolor não trouxe títulos que não os estaduais para o clube no período compreendido entre 1995 e 2004.

Enfim, toda aquela conversa de não submeter o time a avaliações imediatas de resultados, enfim, era palavrório flácido para acalentar bovinos.

Do mesmo modo, a diretoria palmeirense. A insatisfação com Wanderley (Vanderlei) Luxemburgo era enorme, a ponto de se especular dia sim, dia também, se a multa rescisória seria paga, de modo que o contrato fosse terminado antes do dia último estipulado. Os resultados (medianos para fracos, não tão incompatíveis com o time, embora discrepantes do preço pago pelo treinador e sua comissão técnica) não contentavam o Palmeiras, cujos dirigentes fizeram questão de manter Luxemburgo no começo do ano. O que se precisava era de um pretexto.

E a história de Keirrison foi um belo bode expiatório. Um bode magrelo, com as costelas à mostra, mas ainda assim belo, pela marotice argumentativa. Quebra de hierarquia por aplicar uma sanção a um jogador, cujo afastamento para negociação não foi explicado por ninguém. Enfim, enfim. Precisamos de teorias morais, de justificativas para nossos atos.

Outro dia, soube de um homem que bateu em outro, no meio da rua, sem razão alguma. Precisava de um motivo, um excludente, algo que dignificasse sua conduta. E então ele passou a berrar aos quatro cantos: “Te esmurrei para te salvar! Não fosse esse murro, você estaria morto.” E saiu, sem que ninguém o questionasse. Há quem diga que a vítima, compadecida, murmurou um “muito obrigado” e até verteu uma lágrima.